Homem é assassinado com 13 tiros na noite desta terça (17) em Viçosa

Com o crime Viçosa já contabiliza 12 homicídios no ano de 2015.


VIÇOSA (MG) – Um homem de 27 anos foi assassinado dentro de um bar no Bairro União (conhecido como Morro do Café) na noite desta terça-feira (17). O crime aconteceu por volta das  23h45, na Rua Eurico Marangon.

Segundo informações da Polícia Militar (PM), a vítima, Marcelo Freitas Lins dos Santos, de 27 anos, foi alvejada por vários disparos de arma de fogo de calibre .45 enquanto conversava com amigos em um bar. Testemunhas informaram que um indivíduo utilizando capacete entrou armado no estabelecimento, atirou várias vezes contra a vítima e saiu a pé, sem pressa. As mesmas testemunhas não souberam informar as características do veículo que o suspeito utilizou para fugir do local.

Quando a Polícia Militar chegou ao local a vítima apresentava sinais vitais e foi socorrida, sendo levada ao Hospital São João Batista. No hospital Marcelo Freitas não resistiu aos ferimentos e faleceu algumas horas depois. O médico plantonista que atendeu a vítima constatou que a mesma apresentava 13 (treze) perfurações ao longo do abdomen, tórax, pescoço e queixo.

A ocorrência foi encerrada na 21ª Delegacia de Polícia Civil de Viçosa.

Um comentário sobre “Homem é assassinado com 13 tiros na noite desta terça (17) em Viçosa

  1. Mais um crime que coloca Viçosa entre as cidades com o maior índice de violência de Minas. Absurdo para uma cidade universitária. Que confiança tem um pai e uma mãe, de deixarem seus filhos estudarem numa cidade assim?

  2. bom,é uma questão de logica,indice altimssimo de morte por envolvimento com drogas em uma cidade univessitaria ,faz-nos pensar que a demanda é grande e sendo assim existe mais problemas, é que tem que cortar o mal pela raiz , boa vontade não falta ,mas as fronteiras estaduais continual com livre acesso e a culpa é de quem??????

  3. A culpa é do próprio ser humano. Não culpem a polícia, a sociedade e demais… Quando se envolve com drogas e não se paga por elas e acumula dívidas e dívidas, como uma bola de neve, assume-se esse risco. Traficante não quer saber se é de boa ou má família, ele quer apenas o pagamento. Quem nunca se envolveu com drogas poderia pensar diferente. Mas as drogas infelizmente tornaram um problema “comum”…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *