Deputado de Viçosa propõe fim de festas com bebida liberada em MG

Segundo o Deputado, as festas “open bar” ferem o Código de Defesa do Consumidor e incentivam o consumo excessivo de álcool


BELO HORIZONTE (MG) – O deputado estadual Roberto Andrade (PTN), de Viçosa, está propondo um Projeto de Lei que visa à proibição das chamadas festas “open bar”, uma modalidade de evento comercial em que o preço de entrada está condicionado à opção de consumir bebidas alcoólicas imoderadamente.

Para Roberto Andrade, há excessos em relação ao consumo de álcool por parte dos jovens nesse tipo de festa. “O jovem acha que tem de aproveitar o máximo e beber tudo por que pagou. É próprio da idade”, afirmou.

O parlamentar disse que o projeto não tem a ver com o caso do jovem mineiro que faleceu em Bauru (SP), no mês passado, após consumir cerca de 30 doses de vodca. “É bom deixar bem claro que esse projeto foi protocolado um dia após a minha posse, mas ele ganhou notoriedade com a morte do rapaz em Bauru”, explicou.

Segundo o deputado, as festas “open bar” ferem o Código de Defesa do Consumidor por instituir a prática da “venda casada”, que é vedada pela legislação.

Em entrevista à TV ALMG o Deputado comenta o projeto, clique aqui e assista na íntegra.

Acesse o projeto de Lei na íntegra.

Um comentário sobre “Deputado de Viçosa propõe fim de festas com bebida liberada em MG

  1. Para de escrotagem !!! Em qual parte fere o codigo de defesa do consumidor? Fazendo venda casada?
    Politicos deveriam se preocupar em fazer e não brecar! Porque não propoe que seu salario seja o minimo ja que voce é um servente do povo? porque nao propoe que seus filhos estudem e os filhos de todos os governantes estudem em escolas estaduais?
    Voce foi um representante que a muito vicosa precisava mas nao para propor coisas desse tipo !
    E caso nao tenha tomado atencao na situacao, caso as festas de bebida liberada seja proibida , é so fazer as mesmas festas, com os mesmos nomes vendendo copo de bebida a 1 centavo!
    é a esperanca indo por agua abaixo, um representante da regiao que brigaria por nos , esta brigando para proibir eventos que fazem parte da cultura nacional, dira mundial!
    Ainda bem que nao gastei meu voto em vossa excelencia!

    1. Escrotagem? Um dia vai ser um pai e quero ver você conseguir botar a cabeça no travesseiro e dormir tranquilo, sabendo que seu filho ou sua filha, estão nas ruas, nas festas…Hoje, você talvez seja um jovem, mas vai “evoluir” e ver que tudo que “não passa de um noite apenas” pode ter consequências desastrosas para sempre. Qual a necessidade e utilidades de tais festas? Eu sei, já promovi muitas festas no passado meu caro, quando ainda eram inocentes, com apenas som e nada mais. Hoje são regadas a drogas e bebidas liberadas, onde quem bebe pouco, “amarelou”.
      Quando vi que elas se tornaram um lixo, cai fora e fiz a melhor coisa da minha vida.
      Tenho filhas e quero o melhor para elas.
      A policia não tem controle sobre estas festas, pois a maioria delas a polícia não entra e quando entra, ainda sofre processo por parte dos organizadores por “perturbação”…
      Seguranças? Onde? Que preparo eles tem? Nenhum.
      Se acabarem hoje, amanhã, não farão falta alguma. Pelo menos, as pessoas com senso e responsabilidade, pensam assim.
      Já os que não tem nenhum nem outro…

  2. Essas festas são um absurdo. Já deveriam ter sido proibidas em todo o Brasil. Tem organizadores vivendo de promover estes tipos de festas, não só para calouradas, mas para tudo, formaturas, blocos de carnaval, reveillon, fins de semana e etc. Uma verdadeira industria do absurdo. Nossos filhos estão nas mãos dessa gente que só visa o lucro e vende a morte, como tem acontecido Brasil afora e em Viçosa, como vimos recentemente. Apoio esse deputado e essa iniciativa deveria ser copiada pelo Congresso Nacional e a proibição ser nacional, assim como os trotes, que deveriam também constar na mesma lei.
    A universidade tem que ser a finalidade de um estudante, mas sabendo que vai chegar a ela com segurança. Infelizmente hoje, o que deveria ser alegria para uma família que é ver um filho na universidade, está se transformando em desespero, em pesadelo.
    Qual pai e mãe de responsabilidade, pode dormir tranquilo, sabendo que seu filho ou filha, estão numa faculdade. longe de casa e expostos a isso?
    As reitorias lavam as mãos dizendo que a festa é fora do campus. Sabemos disso. Mas poderiam por exemplo, punir os estudantes que promovessem tais festas, mesmo antes delas acontecerem.
    Basta ter autoridade. Um reitor pode sim punir quem promove tais festas, basta querer.
    Parabéns deputado, as festas estilo “rave” com open bar, devem sim ser proibidas.
    Tem meu total e incondicional apoio e tenho a certeza, de todos os pais que preocupam verdadeiramente com seus filhos.

  3. Não bebo, e detesto essas festas, mas sou contra. O problema não é falta de leis (essas estão sobrando), é falta de fiscalização. Cadê mais policiais para abordar os motoristas, punindo os que estão embriagados? Consumo de drogas é ilegal, cadê a fiscalização? Cadê campanhas de conscientização para amenizar o consumo excessivo de álcool? O Legislativo acha que qualquer picuinha que aparece é motivo para atuar; deixa isso pro Executivo (e depois, para o Judiciário)!

  4. A pessoa paga 30 reais e vai querer beber muito além do que ela aguenta. O fígado vai acostumando e em uma destas, surge a maconha, loló, cocaína e heroína.

    Quantas pessoas foram mortas no trânsito e por assassinatos direta ou indiretamente por festas de bebida liberada em Viçosa?
    Quantos casais, que formariam lindas famílias, são desfeitos por excesso no álcool nestas festas?
    Quanto os hospitais deixam de atender a pessoas realmente necessitadas para atender bêbados necessitando de glicose ou vítimas de algum incidente de menor grau?
    Quantos pais de família se desgastam noite adentro pensando na segurança e situação do filho/a que está nesta festa?
    Quantos casos de aids, gonorreia, sífilis, HPV e outras DST já acontecerem por aqueles que exageraram no álcool nestas festas e não se controlaram?
    Quanto do patrimônio físico e social da sociedade já foi abalado pela sujeira/urina e atitudes resultante destas festas de bebida liberada?
    Quanto a educação brasileira já perdeu por morte de neorônios e “mata-aula” daqueles que colocam as festas acima de tudo?
    Quanto aborto já aconteceu por conjunções carnais oriundas destes eventos?
    Quanto dinheiro já foi sonegado/roubado/furtado pela máfia milionária destas festas?
    Quantas mulheres/homens partiram da honra para o vulgarismo após adquirirem “coragem” nestas festas?
    Quanto o Estado, através das polícias, bombeiros, hospitais já gastaram para reparar prejuízos destes eventos?
    Quantas armas chegam a Viçosa e brigas são originadas pelas intolerância nestas festas?

    Jamais poderemos proibir as festas, principalmente por serem culturais, no entanto as festas de bebidas liberadas ou em excesso PRECISAM SER PROIBIDAS. Para fugir do que o infeliz do Willian Vargas disse, basta limitar os eventos a uma quantidade máxima de bebida. Por exemplo, a festa X pode vender/distribuir no máximo 1000ml (??) para cada pessoa. Se o sujeito querer vender a um centavo, que ele assuma o prejuízo.

    Deputado, nunca botei fé em você para questões como esta. Você ganhou muito o meu respeito e espero que siga com esta ideia em frente. Não seja conivente com a morte dos nossos filhos. Não seja conivente com a nossa história, cidade, segurança e impactos negativos destas festas desenfreadas. Alguém precisa colocar limite. ESTAMOS COM VOCÊ!

    SE TEM ÁLCOOL EM EXCESSO, HÁ DROGAS, SEXO DESENFREADO, INTOLERÂNCIA, VIOLÊNCIA, SONEGAÇÃO, DOR, ROMPIMENTOS, DOENÇAS, ARREPENDIMENTOS.

  5. Crimes acontece com ou sem as festas,um não tem relação com o outro,os jovem beba no, Denis, no leão, não precisa de ter festa não deveria e ter mais fiscalização, não acabar com as festas, que gera empregos indiretos para muitos pai de família.

    1. Faça as contas meu amigo. São justamente estas festas que estão atraindo as drogas e consequentemente o tráfico para Viçosa. Não sou dai e geralmente quem é de fora, tem uma visão diferenciada e ás vezes melhor.
      Tenho acompanhado e perplexo, visto como uma cidade do porte de Viçosa, possa estar tendo tamanha taxa de homicídios. As cenas que vimos ai, são de metrópoles, de grandes centros como Rio e São Paulo.
      inadmissível para uma cidade do porte e da qualidade de vida como a de Viçosa (que é muito boa) ter tais crimes. Uma coisa puxa a outra. Se passa a ter a cultura das festas num local, este, começa a receber outras coisas ruins, pois o traficante atua justamente sobre o jovem, e as festas rave são o cenário ideal.
      Feita as contas, o resultado não é bom. Prefiro o prejuízo financeiro mas ter o lucro moral, social e o melhor de todos os lucros: jovens sem drogas e sem álcool.
      Será que ainda vale a pena o que ganham os pais que lucram as festas, como disse?

      1. Perdão mas vc está se confundindo pq em nenhum momento foi dito Rave (onde bebidas são pagas e a preço caríssimos) e sim fasta OpenBar q duram ao contrario de raves no MAXIMO 8h, O q necessita é um trabalho mais intenso em prevenir uso excessivo de álcool e a direção embriagado, qnto ao uso de drogas infelizmente geralmente são os próprios participantes que levam, então fica difícil de controlar…

  6. Claroo, esse é o maior dos problemas que a cidade enfrenta –‘ Podem ate proibir, mas sempre se da um jeito. Já que a questao e pagar, bebidas vao ser comercializadas a preços baixissimos dentro de festa. Espero realmente que seja negado esse processo. Investe em hospital, segurança publica, escola de qualidade, deputado. É DISSO QUE O POVO PRECISA.

  7. Nunca li tanta besteira. Em festas open bar, ninguém é obrigado a beber até ficar fora de si porque pagou uma quantia para entrar na festa. Cada um tem a sua consciência e como geralmente essas festas são para maiores de idade, pressupõe-se que cada um já sabe do seu limite. Tem água e refrigerante também.
    E dizer que aumenta o consumo de drogas e violência é insensatez, os jovens que usam drogas ilícitas fazem isso no meio da rua e ninguém faz nada.
    A questão é de segurança pública não só em Viçosa, mas no Brasil inteiro.
    Roberto Andrade, tenho muito respeito pelo senhor, mas uma proposta de lei dessas é só uma forma rápida e prática de agradar aos que não gostam dessa cultura, mas todos sabem que não resolve coisa alguma.
    Vocês deputados deveriam se preocupar com o bandido que mata e destrói famílias ao invés de se preocupar com a moderação em que estudantes ou jovens bebem bebidas alcoólicas, pois esses, são as verdadeiras vítimas desses bandidos safados que matam e ficam impunes.

    1. Pelo comentário, tu deves ser um dos que organizam. Meu caro, te digo: todas são iguais. A molecada tira o pé do chão. Claro que ninguém é obrigado a beber. Água e refrigerante tem até em hospital. Óbvio! O fato é que festas estilo “rave”, atraem todo tipo de gente e as piores vão lá para aprontar. Melhor seria sem elas. O que acrescentam? Nada! Nada mudam e nada contribuem com o currículo escolar. Nada acrescentam a não ser claro, problemas. Assim, já que hoje em dia a juventude não se contenta em apenas dançar e beber moderadamente, pois o limite não existe (é questão cultural) a máxima é válida: PROÍBA-SE! Uma frase antiga aqui se aplica: Ou aprendemos por amor ou pela dor. Assim, que alguns sofram um pouco sem as festas, mas que a maioria se sinta aliviada e tranquila. Vamos evitar um monte de coisa ruim. Te garanto.

      1. Não sou organizador de festas como você disse no seu comentário, mas proibições assim não solucionam problemas, apenas adiam. Vocês contrários às festas falam como se odiassem e nunca tivessem ido a uma festa sequer. Os problemas não são gerados pelas festas, mas sim pelas pessoas que as frequentam. E te afirmo que são a minoria que saem nas ruas fazendo baderna e bagunça para tentar aparecer, o restante retornam felizes para suas casas e continuam suas vidas normalmente. A culpa não é dos carros quando acontecem acidentes de trânsito por embriaguez ao volante, mas dos motoristas que os conduzem. O mesmo raciocínio se aplica às festas.
        O problema no brasil é que fazem muitas leis para agradar cada pequeno grupo de pessoas na sociedade com o objetivo de atingir o bem estar de todos, mas se ao invés disso, procurassem aprimorar ou atualizar certas leis e aspectos eu garanto que daria mais certo para todos.
        O argumento do deputado sobre a venda casada é ambíguo também, pois o valor embutido no ingresso não é somente da bebida, mas também do estabelecimento da festa, das atrações, funcionários empregados, etc.
        Respeito muito a sua opinião Aloizio Barros, mas a proibição de festas com bebida liberada prejudica a maioria que vai para aproveitar com os amigos e ter uma boa experiência na festa ao invés da minoria que vai para causar confusão e transtornos para outras pessoas de bem. E como não há como “banir” essas pessoas, a proibição das festas é uma forma mais rápida e fácil, mas que não vai resolver os problemas causados pelas pessoas de má índole que irão frequentar outros tipos de festas.

  8. Sinceramente o q esse deputado está tentando fazer não tem fundamento nenhum, o que movimenta a economia aqui são as festas.Ridiculo o que esse maluco ta fazendo, ele só tem a perder e Viçosa tambem com essa nova lei.Você deputado deveria ta correndo atras é de um juízado de menor pra Viçosa, melhoria nos hospitais, e melhorar a segurança, pq as mortes do trafico não são por causa da bebida liberada não, as mortes na fila do sus tambem não.

  9. Carol, você está equivocada! Não sei se você é de Viçosa, mas para afirmar isso, você precisa conhecer o contexto histórico. As festas de bebidas liberadas, de médio-grande porte, tiveram início em Viçosa no princípio dos anos 2000, a cargo de exemplo, em festas como os Largados. No entanto, as pessoas perceberam que as pessoas “curtiam” muito mais a festa devido a bebida liberada: As pessoas bebiam e se soltavam, agradando todos uns aos outros.
    Com isso, os problemas começaram. Desde aquela época o índice de acidentes e diversos outros problemas se multiplicaram.
    Você provavelmente é muito novinha para ter participado das lendárias festas como Flashback, Volúpia Tropical, Calouradas no Recanto, Galpão com Carla Picorreli, Kactuzema, The Dark Side. Nestas festas a qualidade reinava e não precisava de bebidas em excesso para dizer que a festa foi boa. Obviamente tinha bebida e quase todos nós bebíamos, porém, a estatística de danos à sociedade e a nós mesmo era muito menor.

    As pessoas precisam interpretar melhor o contexto aqui exposto: Não se objetiva proibir as festas, mas sim as festas de bebida liberada, devido aos impactos negativos que elas resultam.

    As pessoas precisam enxergar que elas não precisam de álcool em excesso para se divertirem. A ansiedade e vontade pelo sexo precisa ser controlada para não prejudicar a si mesmo e a outras pessoas. Aqui, algumas pessoas provavelmente inseririam o conceito de moral, mas não vou me ater a este ponto.

    Também apoio esta ideia, assim como o meu filho que hoje é calouro da ufv e já foi vítima de malucos em saída de festas de bebida liberada.

  10. Prezado Aloisio, se voce fala como um pai que nao controla seus filhos, ai tenho que concordar com voce. Sou filho e sou pai, e tenho um tratamento com meus filhos de acordo como esta o mundo hoje. Nao adiantar querer cria-los como antigamente, pois antigamente ja passou! Quando voce nao conversa com seu filho e o proibe, abre uma brecha pra ele ser mais um revoltado usuario de drogas. Infundado é o comentario de quem nao opina e so critica os outros!

    1. Meu caro, em alguns pontos tenho que concordar e em outros não. Não concordo com o que fala que se “proibir, o filho vira um revoltado”. O que mais ganhei quando criança e adolescente, foram “NÃOS”. No entanto, não me revoltei, não usei drogas, não virei bandido.
      Falo isso, pelos meus outros 3 irmãos que tiveram a mesma criação e todos pensam como eu. Amo meus pais e hoje agradeço a eles cada “não” que me deram. E não sou tão velho assim.
      Já fiz muitas destas festas (parecidas) nos anos 80 e naquela época eram sim diferentes. Concordo com você quando fala que os tempos mudaram. Claro, mudaram…só que para pior.
      Os pais perderam o poder de educar e passaram isso para as escolas. Pra piorar, vem o maldito Conselho Tutelar que ao invés de ajudar, tira dos pais e professores o poder de reprimir um filho.
      Hoje adolescente bate em professor, pai e mãe e ele mesmo liga para o Conselho Tutelar e pede proteção.
      Mas não podemos abrir mão da boa educação.
      O “Não” é pedagógico. Ele ensina. Já o “sim” tudo pode.
      Tenho com minhas filhas um diálogo aberto e quando falo não é não.
      Desculpe-me se eu o critiquei, mas sinceramente, conhecendo como conheço estas festas. elas nada acrescentam na vida de ninguém.
      Ledo engano achar, como alguns aqui acham, que elas por exemplo trazem divisas para a cidade…Será?
      Elas são fechadas em algum canto isolado da cidade. Quando acaba cada um segue seu caminho (bêbados e dirigindo) e geralmente são na maioria jovens que muito mal tem o dinheiro para a festa e não vão depois para o comércio comprar.
      Como fazem então as cidades onde não existe esta cultura?
      O que mantém Viçosa é seu povo, sua gente. São sim os estudantes durante todo o ano, são os pais que os mantém ai, muitos de longe. São as industrias, o comércio, o turismo por exemplo com a luta pela volta do trem que poderá atrair o turismo.
      Isso sim é a base da economia.
      Festa com molecada bêbada, nunca será economia para ninguém.
      Acato sua opinião, mas sinceramente penso que já passou da hora de serem proibidas.
      Façam festa, como há poucos anos atrás, com som (sem funk claro), com alegria, bebida moderada, mas não as que cultuam a bebida como o essencial da festa.
      Apenas isso.
      Coerência e bom senso. Não fazem mal a ninguém, como juízo e canja de galinha.

  11. Entao quer dizer que estas festa movimentam o trafico de drogas? E so por essas festas existe sexo desenfreado?
    Prezados, voces deveriam sair mais de casa. A pessoa cria sua identidade de acordo com o que ele quer experimentar e quer viver. Eu apenas acho que num cargo legislativo, o representante deveria se preocupar mais em fazer do que propor ideias como essa. Apoio que direcao e alcool nao combina, e na minha opiniao essas festas deveriam nem ter estacionamento e ainda acho que deveria ser lei se o organizador propoe a fazer um evento desses, disponibilizar 10, 20 onibus comtransporte gratis. Apresentou o ingresso serve como passagem de ida e volta. Nao pelo valor que é minimo, se nao me engano na maximo 5,00 ida e volta, mas para criar a cultura de largarem os veiculos em casa e irem para o evneto com seguranca. agora se o cara chegar la e enfiar o rabo na maconha e na cocaina, nao é pelo evento e sim por vontade propria ai meu querido nao vai ser o deputado, o policial o padre o pastor e nem deus que vai fazer com que esse cara que saiu de casa pra usar sua droga, deixe de usar. Nao associe as coisas assim.

    1. Não é culpa da festa se pessoas com a mente pequena as frequentam para causar problemas.
      Alguns torcedores vão aos estádios somente para procurar briga e acabar com a família de outras pessoas, de bem ou não. Só que não é culpa dos clubes, mas sim dos próprios “torcedores”. Isso se aplica às festas !
      Porque ao invés de acabar com essas festas, não se aumenta a fiscalização e a segurança pública nas cidades para punir esse tipo de gente ?
      Vou a essas festas de bebida liberada e nunca me envolvi em confusão, não virei viciado, não fiquei violento, nunca fui parar em uma delegacia e nunca fiquei para trás por falta de transporte público também, visto que as empresas de ônibus arrecadam uma grana alta transportando todas essas pessoas que frequentam as festas. Não precisa nem falar da grana que o governo ganha com impostos né !!!!
      Ao invés de procurar uma forma de solucionar os problemas causados pela minoria de vagabundos que vão às ruas para fazer baderna, o deputado atinge todo mundo, especialmente a maioria que vai com os amigos e que só querem aproveitar as festas para descontrair um pouco por causa da semana pesada de trabalho e/ou estudos.
      A pessoa que paga pelo ingresso, paga pela bebida, pela atração do evento, pelo bem estar garantido pela segurança, pelo espaço da festa. Venda casada não é um argumento muito feliz do deputado e ele não está nem aí para os consumidores. Essa lei vai ser vetada porque essas festas geram muita renda não só para o estado.

  12. Eu não acho que seria solução proibir esses eventos. Faz parte da cultura do País, é uma fonte licita de rendimento. Mas acho que o deputado deveria (ja que propos e provavelmente sera vetado) criar regras em torno de tal situação. Conforme disse o doido ai proibir ou limitar estacionamento ao redor, estipular o local que possa ter determinado evento podendo assim limitar esses esacionamento. Apoio maior da PM , juizado de menores . Proibição de entrar com documento autenticado. A ideia do onibus gratis é muito boa e estimulante. Nao acho que limitar o numero de bebidas resolve e tambem nao acho que esta ligado diretamente a trafico, sexo etc…
    Convesar com empresarios responsaveis pelos eventos e aumentar exigencias seria melhor do que proibir.

  13. Tomara que seja aprovado,essas festas são porta de entrada pra droga,ta demais aqui em viçosa.. Sinceramente os organizadores estão rachando de ganhar dinheiro em cima dessas festas ,eles não estão nem ai… Sem contar o absurdo que se vê nas festas,pessoas fazendo sexo… Deveria proibir as festas com qualquer tipo de bebida e etc..,Da pra se divertir e ser feliz sem elas

    1. Exatamente Lucia. Sou amigo de um cara que possui uma empresa de organização de festas. Ele promove raves, shows e etc. Só o carnaval em uma cidade aqui da Zona da Mata, onde fecham o parque de exposições e ali os blocos se concentram, vendem antecipadamente os abadás, tem DJ, som, show com artistas e claro, bebida liberada de 15h até as 00:00 – isso mesmo, 9 horas de bebida liberada e depois saem da concentração e vão para a praça. São 5 dias de festa neste estilo com um bloco por dia.
      O cara está rico e durante todo o ano, nada faz mais. Só o carnaval com bebida liberada, banca ele o ano todo.
      Só que ele não vê (ou finge que não vê) os jovens que morrem na estrada de madrugada voltando para casa…

  14. Aposto que quem está sendo contra o nobre Deputados são os Organizadores destas badernas que chamam de festas. Os pais que mandam estes estudantes pra Viçosa achando que estão estudando, quanta ilusão. uns nem aula não assistem. Tem que acabar mesmo com isto. Não são daqui e se acham no direito de acabar com nossa cidade deste jeito. Parabéns deputado pela iniciativa.

  15. quando morava no exterior ,vi no jornal que estudantes desfilavam NUS pela cidade de viçosa,mas ao chegar aqui vi tb gente bêbadas vandalizando a cidade com lamas fedidas,arrancando placas de sinalização,mulheres vulgarmente e pobremente vestidas,gritos e son alto na madrugada,tiros e ate mesmo bares e jogos de baralho invadindo calcadas impedindo idosos,gravidas ,cadeirantes sendo obrigado se arriscarem nas ruas,dai fiquei em duvida se eu estava mesmo na cidade universitária,vi tb uma promoção da associação dos comerciantes,fazendo BUSINAS em fente ao hospital para mostrarem um carro zero sobre um caminhão,tudo isso que e apenas um POR CENTO,de tudo que vi,dai cheguei a conclusão que essa decadência de civilidade esta impregnada em maioria dos setores e isso se deve pela mediocridade de visão de toda sociedade local e mais ainda aos que detém poder .Trouce comigo vários projetos de otimização de cidade e tento aplica-los nessa cidade muito embora os encastelados no poder mostram uma sutil indolência e mediocridade por algo novo e muito avançado para viçosa.OBS lembrando que o significado da palavra MEDIOCRE não e pejorativo e significa EQUALIZAR PELA MEDIA,no caso de não saber evoluir uma sociedade.

    1. E Viçosa é um retrato do Brasil. As leis brasileiras são brandas, lentas e arcaicas. A polícia até faz o papel dela, mas ao entregar para a justiça, o errado passa a ser certo, pois nossas leis são ridículas. Tudo se permite. Nada se proíbe e quando se proíbe, sempre tem um dando um “jeitinho” e burlando a lei. Nossos governantes só pensam no próprio umbigo e para ele olham o tempo todo. Resumindo, estamos ferrados, pois não temos a quem apelar e nem mesmo quem olhe por nós que queremos o certo. Queremos paz, tranquilidade, segurança..mas parece que existe um favorecimento para tudo que é errado. O certo é careta, é antigo, é ultrapassado. Já o errado, esse sim, a lei apoia. Ele é atual, contemporâneo…fala a a língua dos jovens que acham que os que lutam contra essas festas, querem acabar com a cidade. A cidade não precisa de festas desse tipo. Nada acrescentam.

  16. Proibir esse tipo de festa pode minimizar o problema mais não solucionar.Essa cidade de viçosa de uma hora para outra está totalmente a merce da criminalização,da opressão,da hostilização, dos roubos falta de respeito e de tiros,entre outros.Não são apenas os estudantes que precisam ter limites e são causadores de problemas mais também muitos moradores que são cumplices e apoiam a marginalização.Essa cidade que era motivo de alegria e orgulho,hoje está associada á crimes de tudo quanto é especie,sendo ela moral,fisica entre outros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *